Coluna Circulando e a política atual.

Juventude e experiência.

Ana Maria Leal
Novembro 19/ 2021

Assim é que o presidente do PDT de Carazinho eleito em 02 de outubro acredita que deve caminhara o partido sob sua condução.

Ao participar do Lado a Lado nesta quinta (18) Gabriel da Rocha disse que é preciso ouvir tanto os jovens quanto aqueles que estão há muito mais tempo na sigla. Quer contar ''com a experiencia de quem mais ilumina'', e ao mesmo renovar, buscar jovens para que surjam novas lideranças.

Sabe que é uma tarefa difícil, pois nos últimos anos poucos partidos conseguem atrair a juventude, menos ainda se não estiverem à frente das administrações municipais, como o caso do PDT neste momento em Carazinho.

Sobre o único representante pedetista na câmara de vereadores, e as posições assumidas, diz que existe um diálogo muito bom com Bruno Berté, e que, inclusive, são amigos de infância.

''Bruno é meu amigo de infância,  é um jovem muito inteligente, tem sempre nosso apoio, obviamente a gente pode não concordar em tudo, e esse concordar e discordar faz parte, a gente quer isso para que o partido se fortaleça, e se consiga, através do diálogo, construir o melhor. Se precisa sempre ouvir as duas partes, a questão do trabalhismo, por exemplo, ambos são importantes, tanto o trabalhador e empregador, eles precisam andar sempre em sintonia, não podemos trabalhar um contra o outro, e sim os dois juntos para construir algo melhor, senão a gente vai continuar estagnado''.

Estagnação é uma das preocupações de Gabriel, pois considera que carazinho tem um problema crônico.

''Não se deve só criticar, pensar nas coisas boas e nas ruins, mas desde a minha geração, trabalho há 15 anos, há pouca oportunidade de desenvolvimento em Carazinho, nesse sentido precisa melhorar a questão industrial, aproximar entidades desses setores, fazer o melhor, ter local atrativo para investimento, geração de empregos com maior percentual de renda, indústria, setor da tecnologia, a gente não aproveita. Vejo Carazinho estagnado nesse sentido, nos últimos anos, é algo crônico da nossa cidade''.






Compartilhe esta coluna em suas redes sociais