Coluna Circulando e a política atual.

Festival sem política.

Ana Maria Leal
Novembro 16/ 2021

Quando recebeu a Associação Seara de Arte e Cultura Gaúcha na última sexta-feira (12) à tarde) em seu gabinete para ser convidado para a confraternização dos 40 anos do festival - no próximo dia 27/11 no CTG Unidos Pela Tradição Riograndense - o prefeito Milton Schmitz afirmou que assim é que o evento tem que ser realizado: por uma entidade à parte da administração municipal, sem conotação, vínculo político.

Mesmo tendo chegado aos 40 anos, a Seara só foi realizada 20 vezes nessas quatro décadas.

Muito, talvez, por ter dependido diretamente de recursos públicos. 

''O festival ganha a partir de agora um outro caráter, não sendo promovido pelo poder público, é o caminho para que se mantenha presente daqui para a frente'' disse ele para o grupo representando a Associação que incluiu o presidente Claudio Hoffman.

Com parte do parque da Várzea retornando ao município, como vai ocorrer após oficialização do acerto com o Sindicato Rural, o prefeito ainda informou que a Associação poderá ter um espaço lá, assim como outras entidades culturais, étnicas, tradicionalistas, esportistas, e que após essa regularização o município vai investir na revitalização do parque.

Os recursos para a edição 21 da Seara da Canção Gaúcha, em novembro de 2022, serão obtidos através da Lei de Incentivo à Cultura, e outros mecanismos.

Para exemplificar que não deve ser feita politicagem com o festival, o prefeito chegou a dizer que nem precisa ser chamado ao palco no ano que vem para a entrega da premiação. 




(Foto: Terezinha Camargo).



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais