Geral

Menino de 10 anos socorre cão atropelado que aguardava há 3 dias por atendimento em Carazinho

Jornalista Gazeta
Setembro 12 / 2019

Coube ao menino Marcelo Cândido, 10 anos, morador da rua Humberto Campos, bairro Princesa, em Carazinho, o gesto solidário de prestar atendimento a um cão que desde a noite de terça-feira (10) aguardava por socorro depois de moradores das imediações terem divulgado nas redes sociais que ele deveria ter sido atropelado, pois foi encontrado debaixo de um poste, sem caminhar, e nenhuma condição de firmar as patas.

Foi pedida ajuda para que fosse atendido mas ninguém compareceu ao local. Não existe no poder público municipal um setor para repassar esse tipo de situação. 

Não se sabe se o animal pertencia a alguém ou se estava abandonado.

No dia seguinte, com a chegada da chuva, o menino, que já estava levando água e comida ao animal prostrado em frente a sua casa, deixou o portão aberto esperando que, se ele conseguisse se arrastar, se abrigasse por ali. E assim aconteceu, o cão deixou o lugar sob o poste e ficou acomodado próximo de uma cerca.

Marcelo improvisou um teto para ele usando um pedaço de porta, até que nesta quinta-feira (12) protetoras de animais mobilizadas recorreram ao médico veterinário Braz Schettini, da clínica particular Cães e Gatos, para que prestasse o atendimento. Ele foi ao local, recolheu o cão, e inicialmente acredita que possa não ter sido atropelamento a causa da paralisia dos membros, e que não estejam quebrados, mas que seja em razão de uma doença.

Disse que são muitos os casos de abandonados e atropelados na cidade, e que em alguns casos encontram pessoas sensibilizadas que se doam como o menino Marcelo.

A rua onde o menino mora é bastante movimentada e se torna um perigo e risco de atropelamentos também para crianças e adultos.

Uma moradora falou para a reportagem da Rádio Gazeta que não existe calçada para as pessoas usarem ao percorrerem o trajeto a pé, e são obrigados a caminhar no asfalto, junto com os carros, que passam em alta velocidade. Sua vontade é de que as autoridades analisassem o problema e providenciassem um quebra molas o quanto antes.

Sobre o cãozinho, após o atendimento, vai precisar de um Lar Temporário até que possa se recuperar e ser colocado para adoção. Quem estiver interessado pode conseguir maiores informações pelo telefone (54) 9 9611 1515, com Gabriele. 


E ainda:

Cão socorrido por menino em Carazinho está com cinomose


(Fotos Grupo Gazeta).


Compartilhe esta notícia em suas redes sociais