Coluna Circulando e a política atual.

Cálculos.

Ana Maria Leal
Setembro 19/ 2020

Ouvindo pessoas falarem sobre as eleições 2020, após o fim do prazo das convenções em Carazinho, acompanhei várias análises, a partir de cálculos, sobre os números que poderão resultar ao final da apuração de 15 de novembro.

A primeira consideração é de que, com cinco majoritárias disputando a prefeitura, haverá uma divisão nos 47.140 votos, o total na cidade, considerando, claro, que esse número é diferente ao apurado nas urnas devido às ausências. 

Na eleição municipal de 2016 Carazinho teve um total de 39.240 votos, mas  35.877 válidos.

Os brancos foram 1.389, os nulos 1.974 , e as abstenções 8.198.  

Naturalmente há uma diferença entre total de votos e os votos válidos, e não podemos esquecer que em tempos de pandemia do novo coronavírus esse é um fator que deverá influenciar o eleitor a sair de casa.

A segunda consideração é de que, com o número de majoritárias que teremos neste ano - se todos confirmarem sua candidatura até a data da votação - a candidatura vitoriosa poderá ser eleita com 15 mil votos.

A partir de uma tendência de que, dos 41 mil, tenhamos 35 mil votos válidos.

Ou menos.

Além da pandemia, fatores como o descrédito com a classe política e falta de esperança também poderão afastar os eleitores em 15 de novembro. 

Questões que, imagino, estejam sendo um dos desafios para conquistar o voto. 

EM TEMPO: Corrigido o número de eleitores: 47.140.







Compartilhe esta coluna em suas redes sociais