Coluna Circulando e a política atual.

Oi ?!?

Ana Maria Leal
Agosto 06/ 2020

Definitivamente o conceito de transparência do presidente da câmara de Carazinho é diferente do meu.

Ao participar do Lado a Lado nesta quinta-feira (06) o vereador Gian Pedroso (PSB) respondeu sobre requerimento do vereador Ivomar Tomate de Andrade (PP) para que as sessões virtuais pudessem ser vistas pelo público interessado.

Que não fossem apenas em grupo fechado que inclui os 13 vereadores, a assessoria de imprensa do legislativo e a Rádio Gazeta, veículo de comunicação que se cadastrou para ter acesso às sessões desde que deixaram de ser presenciais devido ao novo coronavírus, e passaram a ser online.

A justificativa de Gian é de que quer manter a câmara enxuta, sem gastos, e para uma transmissão desse porte será preciso, entre outros, uma internet adequada, equipamentos.

Além disso, que o orçamento do ano de 2020 foi adequado para sobrar dinheiro que voltará aos cofres da prefeitura.

Ou seja, a câmara não vai gastar para colocar as transmissões em áudio e vídeo no ar.

''Não é bem assim, a gente tem que ter qualidade de áudio, de gravação, não é só colocar um telefone lá que vai sair tudo às mil maravilhas''.

Também informou que daqui a pouco as sessões vão voltar a ser feitas no plenário da câmara. Disse que isso será avaliado para a próxima segunda-feira, dia 10.

Então, pode ser que os 13 vereadores estejam na câmara na próxima segunda, e desta forma, haverá a transmissão em áudio, em tempo real, disponibilizada pelo facebook.com/portalgazetacarazinho

Gian aproveitou a oportunidade, já que estava ao vivo e sabe da audiência do programa, para um básico discurso em defesa do governo municipal.

Não que precisasse.

As pedras da rua sabem da sua abnegação ao prefeito Milton e isso ficou mais do que evidente na semana passada ao desempatar aquela emenda em favor do governo, e contra a transparência na divulgação de gastos e outros relacionados a obras públicas.

Como eu disse a ele, compreendo perfeitamente essa posição e imagino que outros políticos na sua condição de poder ser alçado ao lugar de vice fariam exatamente o mesmo.

Abraçariam a oportunidade com unhas e dentes.

Não está errado nisso.

Está esperando o momento de montar aquele cavalo encilhado que ninguém quer deixar passar, e pode ser neste ano eleitoral.

Errado está em dizer que temos uma câmara transparente.

Transparência significa, imediatamente no momento em que as sessões passaram a ser virtuais, ter estudado viabilidade técnica e financeira para levar ao conhecimento da população, em tempo real, as pautas tratadas a cada encontro.

Mas, dizem que o motivo está, principalmente, em vereadores da base do governo que preferem participar de casa de reuniões virtuais para evitar o risco do novo coronavírus.

Se for realmente isso, provavelmente as sessões vão continuar da maneira como está.

Enquanto durar a pandemia.  




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais